segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Eu e eu mesma!!!


É muito engraçado as peças que a vida nos prega.
A pouco tempo atrás eu estava meio perdida (não que eu já tenha me achado), mas me sinto muito melhor agora. Cresci. Cresci muito. Aprendi a me virar sozinha, aprendi a pensar muito mais em mim. A dar valor a mim mesma, e ser sempre eu em primeiríssimo lugar. Tive momentos de tristezas, alegrias, perdas e risos quase incontroláveis. Vivi muita coisa. Muita coisa boa, e muita coisa que me despertou dúvidas também. Mas cumpri o meu papel até o fim. Pensei apenas em mim e ponto.
Hojee acredito mais do que nunca que nada é por acaso, e eu continuo vivendo. Intensamente. Intríssicamente. Permanentemente.
E não me canso de dizer: -A vida é linda de viver, porquê viver, é desenhar sem borracha. x)
P.S> estava ausente do meu blog. Mas voltei, e vim para ficar.




Fui numa floricultura comprar pratinhos de vasos.Três pratos. De diferentes cores, de azulejo e barro.O vendedor me considerou excêntrico pela modéstia do apelo. Procurou enfiar orquídeas olheira abaixo, recusei os arranjos coloridos. Como uma abelha que não larga a lâmpada pela obsessão do sol. Logo me dispensou para o caixa, viu de cara que não tinha potencial aquisitivo. Ele apressou a interrogação do “só isso” e logo fechou a encomenda.Estamos tão consumistas que nos desculpamos por comprar pouco (ou nada). Imagina o atendente perder tempo com a gente? Gentileza hoje é comissão. Idêntica culpa diante do motorista de táxi com a corrida curta. Quase suplicamos por favor, se ele pode nos levar. Não há mais pobreza genuína no mundo, unicamente pobreza disfarçada. O cartão de crédito fantasiou a miséria.Não receio pedir pouco. O pouco é que me basta. O pouquíssimo transborda.Eu me sinto essencial lembrando o desnecessário. Ouvindo o suspiro dentro do vento.Ninguém dá valor ao pratinho das plantas que racha na mudança de lugar e não é reparado, muito menos reposto. Eu não vivo sem eles. É como faltar talheres para um membro da família.É o pratinho de vaso que me mantém acordado. Deslumbrado pela sua fugacidade. Porque amanhã terei que me lembrar novamente. E depois da amanhã. E sempre.O amor é o que não lembramos para continuar lembrando. Como pedir ao filho escovar os dentes ou insistir que faça os temas. Todo dia será exaustivamente igual: é uma atenção renovada, não exclusiva. Uma dedicação nula. Uma devoção secreta que não traz fama e reconhecimento. Coisas simples que não podem ser contadas ou glorificadas durante a semana. Que são apagadas no mesmo momento do ato. Não irei ao bar proclamar aos colegas de que dobrei as calças antes de sair e organizei as camisas pela antiguidade.É o que me põe apaixonado numa mulher: o pratinho do vaso. O que é sem graça, o que somente protege, mas que é confidente das raízes. O quanto ela é capaz de estar ao seu lado sem que necessite imortalidade. O quanto me torno observador das inutilidades. Falei inutilidades, pois é, não errei a digitação, quem ama conserva as inutilidades. Os interesseiros e ambiciosos guardarão as informações essenciais como nascimento e medidas. Veja se um homem a quer quando se interessa porque aquilo que não gera interesse. O fútil é o fundamental. No momento em que o desejo não descobre o que é importante e preserva tudo.O pratinho do vaso do relacionamento está em saber o xampu que ela usa, o restaurante preferido, o doce da infância, sua mania de comer aipim com mel, o azeite (não é qualquer um), as perguntas que detesta ouvir, como ela gosta de amassar o travesseiro, de que modo escolhe as roupas: se nua ou já com a lingerie, quais os insetos que tem medo, o que não pode deixar de assistir na tevê, o drinque preferido, os amigos da choradeira, os amigos do riso, o que toma no café da manhã, qual a fruteira de sua confiança.O pratinho do vaso é o que fica da tempestade. Não tinha como explicar ao vendedor. Ele é que conhece as flores."


Fabrício Carpinejar

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

O dom da vida.

Minha sobrinha Maria Alice nasceu ontem e está linda e saudável!!!
Sou a mais nova titia babona.
Obrigada Deus por essa pequena dádiva que é ser titia.
Que minha princesa traga bons momentos. Sempre!
Beijos
=D


-

Tudo que é meu está guardado.
Não tem como fugir do que está decretado por Deus.
Tenho o verdadeiro amor que transborda pelo sorriso, pelo toque, pelo carinho entre ambas partes totalmente doadas e trocadas.
O que nos falta somente é a presença do corpo colado.
A infinita vontade de ter por perto, de sentir e trasmitir os maiores desejos de um eterno apaixonado.
Me move, me segura em pé e me trás todas as esperanças e forças a lutar!
Eu grito o maior de todos os sonhos,
eu tenho o mais valioso sentimento,
minha maior conquista,
o meu viver ilumina!
O amor,
meu amor...

-

Estou de várias maneiras,
sem saber exato ainda o que aconteceu.
Sou felicidade, sou esperança, sou amor.
Quero você do lado,
mas a vida é um turbilhão de conquistas, vitórias...
E também de perdas e ganhos.
Eu só quero o que é MEU.

Sem mais, sem menos.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Crônicas do amor.

Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo a porta.

O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar.

Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais.

Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca.

Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.

Você ama aquela petulante. Você escreveu dúzias de cartas que ela não respondeu, você deu flores que ela deixou a seco.

Você gosta de rock e ela de chorinho, você gosta de praia e ela tem alergia a sol, você abomina Natal e ela detesta o Ano Novo, nem no ódio vocês combinam. Então?

Então, que ela tem um jeito de sorrir que o deixa imobilizado, o beijo dela é mais viciante do que LSD, você adora brigar com ela e ela adora implicar com você. Isso tem nome.

Você ama aquele cafajeste. Ele diz que vai e não liga, ele veste o primeiro trapo que encontra no armário. Ele não emplaca uma semana nos empregos, está sempre duro, e é meio galinha. Ele não tem a menor vocação para príncipe encantado e ainda assim você não consegue despachá-lo.

Quando a mão dele toca na sua nuca, você derrete feito manteiga. Ele toca gaita na boca, adora animais e escreve poemas. Por que você ama este cara?

Não pergunte pra mim; você é inteligente. Lê livros, revistas, jornais. Gosta dos filmes dos irmãos Coen e do Robert Altman, mas sabe que uma boa comédia romântica também tem seu valor.

É bonita. Seu cabelo nasceu para ser sacudido num comercial de xampu e seu corpo tem todas as curvas no lugar. Independente, emprego fixo, bom saldo no banco. Gosta de viajar, de música, tem loucura por computador e seu fettucine ao pesto é imbatível.

Você tem bom humor, não pega no pé de ninguém e adora sexo. Com um currículo desse, criatura, por que está sem um amor?

Ah, o amor, essa raposa. Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática: eu linda + você inteligente = dois apaixonados.

Não funciona assim.

Amar não requer conhecimento prévio nem consulta ao SPC. Ama-se justamente pelo que o Amor tem de indefinível.

Honestos existem aos milhares, generosos têm às pencas, bons motoristas e bons pais de família, tá assim, ó!

Mas ninguém consegue ser do jeito que o amor da sua vida é! Pense nisso. Pedir é a maneira mais eficaz de merecer. É a contingência maior de quem precisa.


Arnaldo Jabor.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Desassossego -Fernando Pessoa-





“Há qualquer coisa de longínquo em mim neste momento. Estou de fato à varanda da vida, mas não é bem desta vida. (...) Sou todo eu uma vaga saudade, nem do passado, nem do futuro: sou uma saudade do presente, anônima, prolixa e incompreendida.”

“Errei sempre os gestos que ninguém erra; o que os outros nasceram para fazer, esforcei-me sempre para não deixar de fazer. Desejei sempre conseguir o que os outros conseguiram quase sem o desejar. Entre mim e a vida houve sempre vidros foscos: não soube deles pela vista, nem pelo tato; nem a vivi essa vida ou esse plano, fui o devaneio do que quis ser, o meu sonho começou na minha vontade...”

domingo, 5 de dezembro de 2010

Apenas Amanhã.






Apenas amanhã, quando você acordar, se olhe no espelho e se auto elogie. Apenas por um dia não enxergue os seus defeitos, se você está gordo ou magro demais, se o seu cabelo deveria ser liso ou cacheado, loiro ou moreno, mas veja o que você tem de melhor. Enxergue o ser humano dotado de virtudes e qualidades que está bem a sua frente, e sorria para si mesmo com orgulho do que vê.
Apenas amanhã, quando estiver indo a faculdade, trabalho – ou aonde quer que seja – faça uma rota diferente do seu rotineiro. Procure observar o que você nunca antes reparou por estar mergulhado demais em suas preocupações e pensamentos. Tire suas ações do “modo automático” – porque é exatamente desse modo que você passa a maior parte do seu tempo, executando as coisas de forma mecânica e inconsciente.
Apenas por um dia pare um instante o que estiver fazendo, olhe através da janela e observe como as árvores dançam com o balançar do vento. Observe as nuvens no céu e como é engraçado os formatos que podemos atribuir à elas. Já parou para observar os detalhes de uma flor? Como são graciosas, coloridas e delicadas. Repare como é linda e perfeita a natureza, quanta graciosidade ela lhe oferece, mas infelizmente você mal para pra observá-la. Feche os olhos por uns instantes e sinta a sensação do vento tocando a sua pele, como ele envolve o seu corpo e que sensação agradável e maravilhosa ele lhe transmite.
Ao menos amanhã procure cumprimentar as pessoas ao seu redor de forma diferente. Surpreenda-as com um abraço, um beijo ou um elogio. Diga às pessoas mais próximas o quanto gosta delas, e repare suas reações de surpresa em resposta. Garanto que elas nunca se esquecerão das suas palavras de carinho e como você as fez sentir. Um dia muitas delas já não estarão mais com você, e é aí que você se lembrará desse momento. Momento de pequenos detalhes, mas que fazem grandes diferenças!
Apenas no próximo dia procure fazer algo inusitado, mude a sua rotina! Vá ver o alvorecer do final da tarde, caminhar no calçadão, rolar com o seu cachorro no chão, tudo vale!
Sinta o viver em cada momento. Aprecie a sensação de andar com os pés descalços; o gosto do alimento; o toque da água escorrendo pelo seu corpo; a sensação de beijar a pessoa que você gosta, de senti-lá.
E apenas amanhã, no final do dia, depois de tudo isso, pare e perceba como você se sente. Junte as suas mãos, olhe para o céu, e agradeça pelo bem mais precioso que Deus lhe deu – que é a sua vida. E diga para si mesmo que no outro dia, apenas no próximo dia, ele não vai ser apenas mais um que passará pela sua vida. Você não será o mesmo, nem as próximas 24 horas seguintes.



Francielle Fasolak.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Mariana Valadão - SEJA TUDO EM MIM






Deus do meu viver,tu és o meu ar
Deus do acordar,Deus do meu dormir
Deus do descansar,Estás no trabalhar
Deus na minha mente,Deus no meu falar
Seja tudo em mim ...
Deus na esperança ,estás nos meus sonhos
Deus do meu olhar ,Deus do esperar
Deus na alegria ,Deus na tristeza
E na amargura ,És minha cura ...


*Uma das músicas mais perfeitas que já fizeram.

Como sempre o amor.




Há todos aqueles que amam, ou já amaram um dia, aos casados a muito tempo, aos que não casaram, aos que vão casar, aos que acabaram de casar, aos que pensam em separar.. aos que acabaram de separar, aos que pensam em voltar:
Por mais que o poder e o dinheiro tenham conquistado uma ótima posição no ranking das virtudes o amor ainda lidera com folga. tudo o que todos querem é amar. Encontrar alguém que faça bater forte o coração, justificar loucuras. Que nos faça entrar em transe, cair de quatro, babar na gravata. Que nos faça revirar os olhos, rir à toa, catarolar dentro de um ônibus lotado.
Tem algum médico ai??
Depois que acaba essa paixão retumbante, sobra o que? o AMOR.
Mas não o amor mistificado, que muitos julgam que tem o poder de levitar. O que sobra é o amor que todos nós conhecemos. O sentimento que temos por pai, mãe, irmãos, filhos. É tudo o mesmo amor, só que entre amantes existe sexo.
Não existe vários tipos de amor, assim como não existe três tipos de saudades, quatro de ódio, seis espécies de inveja. O amor é único, como qualquer sentimento, seja ele deestinado a familiares, ao conjuge ou a Deus.
A direfença é que entre marido e mulher não há laços de sangue, a sedução tem que ser ininterrupta. Pode não haver nenhuma garantia de durabilidade, qualquer alteração de voz nos fragiliza, e de cobrança em cobrança acabamos por sepultar uma relação que poderia ser eterna.
Casaram. Te amo pra cá, te amo pra lá. LINDO! Mas insustentável. O sucesso de um casamento exige mais do que declarações românticas. Entre duas pessoas que resolveram dividir o mesmo teto, tem que haver mais que amor, e às vezes nem precisa de um amor tão intenso. É preciso que haja, antes de mais nada, respeito. Agressão zero. Disposição para ouvir argumentos alheios. Alguma paciência.. Só amor não basta.
Não pode haver competição, nem comparações. Tem que ter jogo de cintura para acatar regras que não foram previamente combinadas. Tem que haver bom humor para enfrentar imprevistos, acessos de carências, infantilidade. Tem que saber levar. Amar, só, é pouco. Tem que haver inteligência. Um cérebro programado pra enfrentar tensões pré- mentruais, rejeições, demissões inesperadas, contas pra pagar. Tem que ter disciplina para educar os filhos, dar exemplos, não gritar. Tem que ser um bom psiquiatra. Não adianta, apenas, amar. Entre casais que se unem visando a do matrimônio tem que haver um pouco de silêncio, amigos de infância, vida própria, um tempo para cada um. Tem que haver confiança. Uma certa camaradagem, às vezes fingir que não viu, fazer de conta que não escutou. É preciso entender que união, não significa necessariamente, fusão.
Entre homens e mulheres que acham que o amor é só poesia, falta discernimento, pé no chão, racionalidade. Tem que saber que o amor pode ser bom, pode durar pra sempre, mas que sozinho não dá conta do recado. O amor é grande mas não é dois. É preciso convocar uma turma de sentimentos para amparar esse amor que carrega o ônus da onipotência. O amor pode até nos bastar, mas ele próprio não se basta.
Sou egoísta, impaciente e um pouco insegura. cometo erros , sou um pouco fora de controle e as vezes dificil de lidar, mas se você não sabe lidar com o meu pior, então com certeza você não merece o meu melhor.